Esportes

Rayssa Leal, a Fadinha, fatura prata no skate street em Tóquio 2020

Rayssa Leal, a Fadinha do Maranhão, de 13 anos, ganhou a prata no skate street nas Olimpíadas de Tóquio (Japão) na manhã desta segunda-feira (26) e se tornou a mais jovem medalhista do país na história da participação brasileira nos Jogos.

A atleta, que nasceu em Imperatriz (MA), recebeu nota total de 14,64, superada apenas pela anfitriã Nishiya Momiji (15,26), que também tinha 13 anos. Funa Nakayama, uma japonesa de 16 anos, ganhou o bronze (14,49). As lutas aconteceram no Ariake Urban Sports Park.

Fadinha saboreava as manobras e o relaxamento, sorrindo e até dançando algumas vezes sem se deixar levar pelo cansaço da escolha da medalha. Sua estratégia rendeu-lhe a prata, a segunda no Brasil na pista de skate (Kevin Hofler venceu a primeira no sábado (25)).

“Estou muito feliz; este dia ficará na história. Eu faço o meu melhor para me divertir porque sei que se você se divertir, as coisas vão fluir facilmente. Deixe acontecer organicamente, se divertindo ”, afirmou a patinadora no site do Comitê Olímpico Brasileiro (COB).

Fadinha, que se tornou um fenômeno de mídia social durante as Olimpíadas de Tóquio, agora tem mais de dois milhões de seguidores. Ela espera que, como medalhista olímpica, consiga convencer mais meninas a participarem do esporte.

“Saber que muitas meninas me enviaram mensagens no Instagram dizendo que começaram a patinar ou que seus pais permitiram que patinassem por causa do meu vídeo me deixa extremamente satisfeito, já que isso aconteceu comigo também. “Saber que estou aqui e que posso ter uma medalha olímpica é muito importante para mim”, concluiu. “Minha história e as histórias de muitos outros skatistas quebraram todo esse preconceito, toda essa barreira de que o skate só era para meninos, para homens, e saber que estou aqui e posso ter uma medalha olímpica é muito importante para mim”.

Mais dois brasileiros participaram da fase preliminar, mas não chegaram aos oito primeiros que chegaram à final. Na terceira bateria, Pâmela Rosa, campeã mundial de street dance, foi a primeira brasileira a se apresentar. Com um total de 10,06 pontos, o atleta ficou em décimo lugar. Pamela compartilhou uma foto de seu tornozelo esquerdo inchado e machucado nas redes sociais logo após a altercação. A atleta revelou que se machucou no último trecho de sua preparação e agradeceu a torcida brasileira pelo apoio.

Já a experiente Letícia Bufoni, número 4 do ranking, se apresentou com Rayssa Leal na quarta e última bateria, mas também não conseguiu nota suficiente para ir à final: totalizou 10.91 pontos, ficando em nono lugar.

Relacionados