COMITÊ BRASILEIRO É SUSPEITO: COI suspende provisoriamente o Comitê Olímpico Brasileiro

Medida veio após prisão de Carlos Arthur Nuzman, suspeito de intermediar a compra de votos de integrantes do COI para a eleição do Rio como sede da Olimpíada de 2016.

0

O Comitê Olímpico Internacional (COI) anunciou nesta sexta-feira (6) que suspendeu provisoriamente o Comitê Olímpico Brasileiro (COB), após a prisão de seu presidente, Carlos Arthur Nuzman, suspeito de intermediar compra de votos para assegurar a sede dos Jogos Olímpicos de 2016 para o Rio de Janeiro.

O COI também suspendeu Nuzman de todas as suas funções e direitos de membro honorário, e o excluiu da comissão de coordenação dos Jogos de Tóquio-2020. O comitê detalhou que a punição não irá afetar atletas brasileiros.

Nesta quinta (5), no Rio de Janeiro, agentes da Polícia Federal e do Ministério Público Federal prenderam Nuzman e Leonardo Gryner, ex-diretor de operações do comitê Rio 2016 e braço-direito de Nuzman.

Nuzman é suspeito de intermediar a compra de votos de integrantes do Comitê Olímpíco Internacional (COI) para a eleição do Rio como sede da Olimpíada de 2016. Ele foi preso em casa, no Leblon, por volta das 6h. Nuzman é presidente do COB há 22 anos. O pedido de prisão temporária foi decretado pelo juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal.

Segundo a defesa de Nuzman, a medida adotada de prisão foi dura. “É uma medida dura e não é usual dentro do devido processo legal”, afirmou Nélio Machado.

Nuzman e Gryner teriam pago mais de U$ 2,7 milhões a membros africanos do Comitê Olímpico Internacional (COI) em troca da escolha da Rio-2016.

Segundo o Ministério Público Federal (MPF), Nuzman ainda tentou regularizar, junto à Receita Federal, valores em espécie e 16 quilos de ouro que estariam em um cofre na Suíça, logo depois da primeira fase da operação “Unfair Play”.

COMENTÁRIOS PELO FACEBOOK


DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here